Norma de Padronização de Nomenclatura

Esta área tem como finalidade apresentar a padronização de nomes de objetos de banco de dados criados no DATASUS para qualquer SGBD utilizado neste órgão.

O padrão aqui estipulado segue o ISO/IEC – 11179-5, que foi preparado pelo subcomitê ISO/IEC JCT1/SC32, sendo constituído de várias partes relacionadas, sendo que a parte 5 se refere a padronização e especificação de elementos de dados.

 As regras para a padronização de nomenclatura estão contidas nos itens a seguir.

 

 

 

1. O nome do objeto deve apresentar clareza, de forma a indicar a sua finalidade no negócio a que está vinculada. Não deve ferir a norma culta da língua portuguesa.

2. O nome de um objeto de banco de dados deverá ser formado por uma ou mais palavras com todas as letras em maiúsculas e no singular, cada uma separada pelo caractere separador do underscore (_).  A sequencia das palavras deve ser lógica de tal forma que dê um significado preciso em Português.

3. Para a formação de cada palavra de  um nome, deve-se sempre considerar a portabilidade entre SGBD´s, sendo assim utilize apenas os caracteres alfabéticos não acentuados e numéricos.

4.  Para o caso de abreviações, as seguintes regras devem ser observadas:

5. Utilize abreviações  ou siglas somente quando o nome completo ultrapassar o tamanho máximo estipulado e nestas situações, somente se for de aceitação e conhecimento geral do órgão.;

6. A palavra principal que compõe o nome de um elemento de dado não deve ser abreviada;

7. Na abreviação de palavras, siga as regras definidas no item 4 deste documento.

8. Palavras em outro idioma não serão permitidas. As exceções deverão ser tratadas caso a caso.

9. Nome de qualquer tipo de objeto e colunas de tabelas deve possuir  a formação Prefixo_NomeObjeto.  O prefixo para o caso de tabelas e colunas define uma categorização para cada um, sendo que no caso de colunas não é indicado tipo e tamanho que deve estar associado, pois isso depende do negócio, mas é importante observar o bom senso nesse tipo de definição, por exemplo, para colunas cujo tamanho é de informações conhecidas como CPF  ou  CNPJ deve-se utilizar o tipo e tamanho de acordo com a definição existente, sendo CPF com varchar2(11) ou char(11) e CNPJ com varchar2(14) ou char(14). Para os casos, onde o domínio está definido em tabela do DBGERAL deve ser utilizada esta com FK.

10. Nomes de schemas não devem utilizar caracter separador e devem ser compostos de apenas uma palavra com no máximo 20 caracteres, sendo que a sua formação é DBNomeSchema, sendo que no caso de o schema ser de uma aplicação, deve ser DBSiglaAplicacao.

11.  O prefixo de cada objeto deve indicar da finalidade do mesmo, conforme definido no Anexo I.

12. Para o caso de exclusão lógica de registro em uma tabela esta deve ter um campo com nome ST_REGISTRO_ATIVO datatype CHAR(1) e domínio S ou N. A sua descrição pode ser “Indica se o registro está ativo ou não (excluído logicamente). O seu domínio é: S – Sim (está ativo) ou N – Não (não está ativo). O controle no uso de registros excluídos deve ser feito pela aplicação.”.

13.  Uma observação importante é que quando a tabela é criada já com essa coluna, não é obrigatório a definição de um valor DEFAULT, mas quando a coluna é adicionada em uma tabela já existente, deve-se definir o valor DEFAULT, pois assim a coluna pode ser criada como NOT NULL e o valor DEFAULT será preenchido para todos os registros existentes na tabela.

14. Para o caso de necessidade de exclusão física de registros é obrigatório que seja implementada auditoria na tabela.

15.  Não serão criados sinônimos para acessar os objetos.  Será necessário fazer referência ao esquema (owner) antes do nome do objeto.

16.  O tamanho máximo de um nome de objeto não pode exceder 30 caracteres. Para os casos de Intermedia Index o tamanho máximo é de 25 caracteres, devido a uma limitação do SGBD.

17.  No caso do nome do objeto ultrapassar o tamanho máximo estipulado, a seguinte regra deve ser utilizada:

  • Verificar a possibilidade de substituir palavras por acrônimos ou siglas;

  • Abreviar as palavras utilizando-se da norma culta de nossa língua.

18.  No item onde são tratados os prefixos dos objetos, as seguintes regras devem ser consideradas:

  • [NOME DA TABELA]: o nome da tabela não ter conter o prefixo, a menos que seja uma tabela com prefixo RL, TL_ ou AU_; não deve conter o caracter separador _.

  • [NOME DA COLUNA]: não deve conter o caracter separador _, sendo que este caracter deverá conter quando for utilizada mais de uma coluna.

  • [NOME FK]: deve conter o prefixo ; não deve conter o caracter separador _.

 

 

 

Para abreviação de palavras contidas nos nomes de objetos deve preferencialmente utilizar a regra definida no documento “Governo Brasileiro - Comitê Executivo de Governo Eletrônico - Catálogo de Padrões de Dados” constante na bibliografia. As regras contidas nesse documento são as seguintes:

  • dar preferência a:
  • acrônimo e abreviaturas devem ter pelo menos 2 caracteres;
  • a abreviatura deve ter no máximo dois terços do tamanho da palavra original;
  • apenas aquelas que tenha no total mais de 8 caracteres podem ser abreviadas;
  • se a palavra, termo ou nome não tiver uma sigla /acrônimos conhecidos, use as diretrizes abaixo para construir a abreviatura:
  • não devem ser utilizadas preposições, e na necessidade de se utilizar verbos, utilize no presente;
  • sempre que possível, evitar o uso de abreviaturas/acrônimos, pois prejudicam o entendimento;
    • abreviaturas comumente usadas em português à abreviaturas de negócio;
    • abreviaturas de negócio à termos de tecnologia da informação;
    • termos da tecnologia da informação à criação de novos;
  • criar abreviaturas evitando ambigüidade;
  • regra geral para criar novas abreviaturas para palavra:
  • escrever a primeira sílaba e a primeira letra da segunda sílaba, ex.: gramática=gram; portugues=port; numeral=num;
  • se a segunda sílaba iniciar por duas consoantes, escrever as duas, ex.: construção=constr; secretário=secr;
  • se a abreviatura resultante coincidir com uma existente ou sugerir ambigüidade, escrever a segunda sílaba completa e incluir a primeira letra da terceira sílaba, ex.: profissional=profiss;
  • qualquer nova abreviatura deve ser submetida a AD.
 

 

 

 Para cada tipo de objeto de banco de dados temos um prefixo, que são definidos a seguir. 

TIPO DE OBJETO

DESCRIÇÃO

PADRÃO ESTABELECIDO

Exemplos

Bitmap Index

Tipo de índice que pode ser utilizado para otimizar consultas que utilizam como filtro de dados, colunas que possuem baixa cardinalidade ( colunas que possuem pouca variação de valores nas linhas de uma tabela)

IB_+[NOME DA TABELA]+_+[NOME DA COLUNA]

 

Tabela: TB_USUARIO

Coluna: NU_CPF

Bitmap Index: IB_USUARIO_NUCPF

Check Constraint (CK)

Definição de restrições de para uma coluna/tabela.

1)             CK para uma coluna de uma tabela:

CK_+[NOME DA TABELA]

TABELA]+_+[NOME DA COLUNA]

Tabela: TB_CADASTRO

Coluna: ST_FUNCAO

Constraint: CK_CADASTRO_STFUNCAO

 

Tabela: TB_UF

Coluna: CO_IBGE

Constraint: CK_UF_COIBGE

Cluster

 

Grupo de tabelas que compartilham os mesmos blocos de dados, desde que compartilhem colunas em comum e são usadas frequentemente em conjunto.

1-            Formação com 2 tabelas:

TC_+[NOME DA TABELA 1] +_+ [NOME DA TABELA 2]

 

2-            Formação com mas de 2 tabelas:

TC__+[NOME DA TABELA 1] +_ ... _+ [NOME DA TABELA n]

 

Quando o nome com a regra acima não ficar legível utilizar a seguinte regra:

 

TC_+[ NOME DO CLUSTER], neste caso o nome do cluster deve ser significativo para o negócio ao qual pertence

 

Tabela 1: TB_GRUPO

Tabela 2: TB_SUBGRUPO

Cluster:

TC_GRUPOSUBGRUPO

Cluster Index

Índice para cluster.

IC_+[NOME DO CLUSTER]

IC_CIDADEESTADOCOUF

Column

Coluna de uma entidade negocial que é representada em uma tabela, sendo que cada coluna corresponde a uma coluna na tabela.

Ver tabela 3

Ver tabela 3

Database Link (Oracle) ou Linked Server (SQL Server)

Objeto criado em um schema que possibilita o acesso para este  schema a objetos de outro servidor de banco de dados.

1-            Brasília:

{NOME DO BANCO]

 

2-            Rio:

 LK_[instância sistema destino]_[sigla sistema destino/entidade externa origem]_ [flag de localização]

 

DFPO1

 

 

LK_RJPO1

Foreign Key

Restrição de integridade que determina que uma coluna ou um conjunto de colunas que possuem valores em outras tabelas. Relativa a uma referência ou a um relacionamento.

1)             Existe um relacionamento entre as duas tabelas:

FK_+[NOME DA TABELA PAI]+_+ [NOME DA TABELA FILHO]

 

2)             Existe mais de um relacionamento entre as duas tabelas:

FK_+[NOME DA TABELA PAI]+_+ [NOME DA TABELA FILHO]+[NOME  FK] , neste caso o nome da FK deve ser significativo para o negócio ao qual pertence

3-Formação quando existir relacionamento com uma chave candidata da tabela pai (UK)

FK_+[NOME DA TABELA PAI]+[NOME SIGNIFICATIVO DO CAMPO NO PAI]+_ +[NOME DA TABELA FILHO]+[NOME SIGNIFICATIVO DO CAMPO NO FILHO]

Tabela Pai: TB_UF

Tabela Filho: TB_MUNICIPIO

Constraint: FK_UF_MUNICIPIO

 

 

 

 

 

 

 

Tabela Pai: TB_UF

Tabela Filho: TB_MUNICIPIO

Constraint 1: FK_UF_SERVIDORUFNASCIMENTO

Constraint 2:

FK_UF_SERVIDORUFENDERECO

 

 

 

 

 

 

 

 

Tabela Pai: TB_ESTABELECIMENTO

Campo na Tabela Pai: NU_CGC

Tabela Filho: TB_MANTENEDORA

Campo na tabela Filha: NU_CNPJ

Constraint:

FK_ESTABELECIMCGC_MANTENEDCNPJ

 

 

   

Function

São rotinas de processamento que retornam valores.

FC_+[NOME DA FUNÇÃO]

FC_CALCULA_DV

Index

Estruturas opcionais associadas a tabelas e ‘clusters’ que permitem que as consultas SQL sejam executadas com melhor performance. 

1-Formação simples

IN_+[NOME DA TABELA]+_+[NOME DA COLUNA]

 

2-Formação com mais de um coluna na formação do índice

IN_+[NOME DA TABELA]+_+[NOME INDEX], neste caso o nome do index deve ser significativo para o negócio ao qual pertence

 

3-Formação quando o índice for de um coluna que é FK na tabela com uma coluna

IN_+[FK]+[NOME DA TABELA]+_+[NOME DA COLUNA]

 

4-Formação quando o índice for de uma coluna que é FK na tabela de mais de uma coluna

IN_+[FK]+[NOME DA TABELA]+_+[NOME FK]

 

Tabela: TB_USUARIO

Coluna: NU_CPF

Index: IN_USUARIO_NUCPF

 

 

Tabela: TB_LOCALIDADE

Colunas: CO_MUNICIPIO_IBGE, CO_UF_IBGE

Index: IN_LOCALID_COMUNICIBGECOUFIBGE ou

IN_LOCAL_UFMUNICIPIO

 

 

 

 

 

Tabela: TB_MUNICIPIO

Coluna: CO_UF_IBGE

Index: IN_FKMUNICIPIO_COUFIBGE

 

 

 

 

 

 

Tabela: RL_ESTAB_EQUIPE_PROF

FK: FK_EQUIPE_PROF_EQUIPE

Coluna 1: CO_MUNICIPIO

Coluna 2 :        CO_AREA 

Coluna 3:  SEQ_EQUIPE    

Index:  IN_FKRLESTEQUPRF_ FKEQUPRFEQU

 

Instância de Banco de Dados

Nome de instância de banco de dados.

1-            Brasília:

UF + [Finalidade da Instância] + SGBD +  [Sequencial], onde:

 

UF = Unidade da Federação com dois caracteres (DF);

 

Finalidade da Instância:

 P – Produção

 T – Treinamento

 D – Desenvolvimento

 H – Homologação

 

SGBD:

 O – Oracle

 P – PostgreSql

 M – MySql

 S – SqlServer

 

Sequencial: número de 1 a 9, indicando o sequencial daquela instância.

 

Observações:

- Caso a instância não siga o padrão de nomenclatura, acrescentar F antes do SGBD.

- Para instâncias de Data Warehouse, os nomes deverão ser acrescidos da letra W antes do SGBD.

 

 

2-            Rio:

[Finalidade da Instância] + UF + [Sequencial], onde:

 

 

Finalidade da Instância:

 BD – Produção

 DS – Desenvolvimento

 HO – Homologação

 

UF = Unidade da Federação com dois caracteres (RJ);

 

Sequencial = número de 01 a 99, indicando o sequencial daquela instância.

 

DFPO1

DFDO1

DFPO3

DFPOW1 (Produção Oracle de DW)

DFFO1 (fora do padrão)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BDRJ01

DSRJ01

 

 

 

Intermedia Index

Índice para pesquisa textual.

ITM_+[NOME DA TABELA]+_+[NOME DA COLUNA]

Obs: O nome da tabela deve perder o prefixo TB e os separadores “_”.

O nome da constraint deve conter apenas 25 caracteres, pois é uma limitação do sgbd Oracle.

Tabela: TB_TEXTO

Coluna: DS_CONTEUDO

Intermédia Index: ITM_TEXTO_DSCONTEUDO

Materyalized View

É uma representação de uma ou de várias tabelas armazenadas em banco, mas com armazenamento próprio.

A MV também poderá ser utilizada como forma de replicação de tabelas em instâncias distintas.

1)    Views de uma ou mais tabelas

MV_+[NOME DA VIEW]

 

2)    Views  para replicação de tabelas deve seguir a regra de nome de tabela

 

 

 

 

 

MV_SERVIDOR_ATIVO

 

 

 

 

TB_UNIDADE_UORG

Package

Grupo de procedures, funções, comandos sql e variáveis, que executa diretamente no banco de dados.

PKG_+[NOME DO PACKAGE]

 

 

 

PKG_CADASTRO_BASE

Package Body

Grupamento de comandos PL/SQL e especificações disponíveis para todos os objetos públicos listados na Package.

PKG_+[NOME DO PACKAGE ]+_+[BODY]

 

 

 

PKG_CADASTRO_GERAL

Partition Index

Índice  de partição.

PI+_+[NOME DA TABELA] +_+[NOME DA COLUNA] +_+[RANGE]

PI_ AUTORIZA_DTANOCMPT_1992

Primary Key

Identifica de forma única uma linha de uma tabela.

PK_+[NOME DA TABELA]

 

Tabela: TB_MUNICIPIO

Primary Key: PK_MUNICIPIO

 

Tabela: TB_TIPO_ENTIDADE

Primary Key: PK_TIPOENTIDADE

 

Tabela: RL_USUARIO_UF

Primary Key: PK_RLUSUARIO_UF

Schema

Conjunto de objetos de propriedade de um usuário (OWNER).

DB+[SIGLA DO SISTEMA]

 

Sequence

Objeto do banco utilizado para gerar números inteiros únicos.

1)Vinculada a uma tabela específica: SQ_+[NOME DA TABELA]+_+[NOME DA COLUNA]

 

2)Não Vinculada a uma tabela específica: SQ_+[NOME DA SEQUENCE], neste caso o nome da  sequence  deve ser significativo para o negócio ao qual pertence

Tabela: TB_CADASTRO_SERVIDOR

Sequence:

SQ_CADASTROSERVIDO_COSEQPOSICA

 

 

Sequence não vinculada à tabela:

SQ_GERA_CODIGO

Stored Procedure

Conjunto de procedimentos armazenados no banco.

SP_+[NOME DA PROCEDURE]

 

 

SP_ESTRUTURA

Table

Armazenamento dos  dados da entidade negocial que representa.

Ver tabela 2

 

 

Ver tabela 2

 

 

Table Partition

Particionamento de tabelas com grande volume de dados, que divide fisicamente tabelas, sem a necessidade de reescrever o código fonte de sua aplicação, pois logicamente a tabela particionada é como uma tabela normal.

PD+_+[NOME DA TABELA] +_+[NOME DA COLUNA]+_+[RANGE]

 

 

 

 

 

 

 

PD_AUTORIZA_DTANOCMPT_1992

Tablespace

Unidade de armazenamento lógico de um banco de dados  que consiste em um ou mais arquivos denominados arquivos de dados (datafiles), que são estruturas físicas compatíveis com o sistema operacional onde está o banco de dados. Os dados do banco de dados são armazenados coletivamente nos datafiles que constituem cada tablespace.

1)             Padrão de Brasília:

- TD_+[NOME DO SCHEMA] (tablespace de dados)

- TI_ +[NOME DO SCHEMA] (tablesspace de índice)

- TT_+[NOME DO SCHEMA] (tablespace temporária)

- TR_+[NOME DO SCHEMA] (Tablespace Segmento de Rollback)

 

2)             Padrão Rio:

- TD_+[NOME DO SCHEMA] ]_+[N° DA TABLESPACE]

(tablespace de dados)

- TI_ +[NOME DO SCHEMA] ]_+[N° DA TABLESPACE] (tablesspace de índice)

- TT_+[NOME DO SCHEMA] ]_+[N° DA TABLESPACE] (tablespace temporária)

- TR_+[NOME DO SCHEMA] ]_+[N° DA TABLESPACE] (Tablespace Segmento de Rollback)

)

 

 

 

 

TD_DBGERAL

 

 

 

TI_DBGERAL

 

 

 

TT_TMPSEG

 

 

 

TR_RBSSEG1

 

 

 

 

 

 

TD_CNES_01

 

 

 

 

TI_CNES_01

 

 

 

 

TT_CNES_01

 

 

 

 

TR_CNES_01

Trigger After de Auditoria

Procedimento a ser disparado após uma exclusão / atualização / inclusão de registro na tabela associada para inclusão de registro na tabela de auditoria.

Essa nomenclatura também deve ser utilizada quando há mais de um tipo de operação disparando a trigger (para cada linha do comando).

1-            Trigger de Auditoria – Padrão GAAD

- TRA_ [NOME DA TABELA], onde o nome da tabela é com o prefixo da tabela origem, mas sem o caracter separador _ entre as palavras. Ultrapassando o tamanho máximo de caracteres para nome (30), a última palavra será truncada no 30º caracter.

 

 

 

Tabela: TB_PESSOA

Trigger: TRA_PESSOA

 

Tabela: RL_DEMANDA_TAREFA

Trigger: TRA_ RLDEMANDATAREFA

 

Trigger Before / After Delete

(Row / Statement)

Procedimento a ser disparado antes ou após a exclusão de um registro da tabela associada (para cada linha do comando).

1-            Trigger Before Delete

TBD_+[NOME DA TABELA]

 

2-            Trigger After Delete

TAD_+[NOME DA TABELA]

Tabela: TB_FORNECEDOR_TELEFONE

Trigger:

    TBD_ FORNECEDORTELEFONE

   

   

Tabela: RL_FORNECEDOR_ENDERECO

Trigger:

    TAD_RLFORNECEDOR ENDERECO

Trigger Before / After Insert

(Row / Statement)

Procedimento a ser disparado antes ou após a inserção de um registro na tabela associada (para cada linha do comando).

1-            Trigger Before Insert

TBI_+[NOME DA TABELA]

 

2-            Trigger After Insert

TAI_+[NOME DA TABELA]

Tabela: TB_FORNECEDOR_TELEFONE

Trigger:

    TBI_ FORNECEDORTELEFONE

   

Tabela: RL_FORNECEDOR_ENDERECO

Trigger:

    TAI_RLFORNECEDOR ENDERECO

 

Trigger Before / After Insert or Update or Delete (Row / Statement)

Procedimento a ser disparado antes ou após qualquer uma das três operações de registro (insert, delete, update) na tabela associada.

Essa nomenclatura também deve ser utilizada quando há mais de um tipo de operação disparando a trigger (para cada linha do comando).

1-            Trigger Before All

TBA_+[NOME DA TABELA]

 

2-            Trigger After All

TAA_+[NOME DA TABELA]

 

 

 

 

 

 

Tabela: TB_FORNECEDOR_TELEFONE

Trigger:

    TBA_ FORNECEDORTELEFONE

   

Tabela: RL_FORNECEDOR_ENDERECO

Triggers:

    TAA_RLFORNECEDOR ENDERECO

 

Trigger Before / After Update (Row / Statement)

Procedimento a ser disparado antes ou após a atualização de um registro na tabela associada(para cada linha do comando).

1-            Trigger Before Update

TBU_+[NOME DA TABELA]

 

2-            Trigger After Update

TAU_+[NOME DA TABELA]

Tabela: TB_FORNECEDOR_TELEFONE

Trigger:

    TBU_ FORNECEDORTELEFONE

   

 

Tabela: RL_FORNECEDOR_ENDERECO

Triggers:

    TAU_RLFORNECEDOR ENDERECO

 

Trigger Instead Of

Procedimento a ser disparado após a execução de um comando (para todas as linhas afetadas pelo comando).

TIO_+[NOME DA TABELA ou VIEW]

 

Tabela: TB_FORNECEDOR_TELEFONE

Trigger:

    TIO_ FORNECEDORTELEFONE

   

 

Tabela: RL_FORNECEDOR_ENDERECO

Triggers:

    TIO_RLFORNECEDOR ENDERECO

 

Unique Key

Identifica de forma única uma linha de uma tabela, mas não é a primary key. Normalmente é utilizada para indetificar a chave negocial da tabela nos casos em que a PK é uma coluna controlada por sequence

1)    Formação simples

UK_+[NOME DA TABELA]+_+[NOME DA COLUNA]

2)            Formação com mais de um coluna na UK

UK_+[NOME DA TABELA]+_+[NOME UK] , neste caso o nome da UK deve ser significativo para o negócio ao qual pertence

 

Tabela: TB_SERVIDOR

Campo: NU_CPF

Unique Key: UK_SERVIDOR_CPF

 

 

 

 

Tabela: TB_TELEFONE

Campos: TP_TELEFONE, NU_DDD e

NU_TELEFONE

Unique Key: UK_TELEFONE_IDENTTELEFONE

Usuário de Database Link

(padrão geral)

Nomenclatura para links entre esquemas/bancos para os sistemas do DATASUS

LK_[NOME DO SCHEMA]_[UF de localização]

Obs1: O nome do schema deve perder o prefixo DB e o caractere (“_”).

O sistema PORTAL que utiliza o schema dbportal no DF, deseja acessar  objetos que estão no banco de dados RJPO1.

 

Nome do link: RJPO1

Nome do usuário: LK_PORTAL_DF

 

Onde:

RJPO1– Banco de Dados que sofre o acesso (destino).

PORTAL – Nome do SCHEMA sem o prefixo DB_ (origem).

DF – Sigla da UF de localização do schema. (origem).

 

View

Representação lógica de uma ou de várias tabelas armazenadas em banco de dados, mas sem armazenamento próprio.

VW_+[NOME DA VIEW]

 

 

 

 

VW_SERVIDOR_ATIVO

 

 

CATEGORIA DE TABELA

DESCRIÇÃO

PADRÃO ESTABELECIDO

Tabela de Sistema

Tabela utilizada para armazenar dados de aplicação.

TB_+[NOME DA TABELA]

 

Tabela de Relacionamento (Associativa)

Tabela que resolve relacionamentos “N para N” entre duas tabelas.

RL_+[NOME DA TABELA1]+ _+[NOME DA TABELA2]

 

Tabela Log de Operações

 

Tabela utilizada para armazenar os dados das operações de usuários realizadas no esquema. Exemplo de operações: insert, update, delete.

Este tipo de tabela somente pode ser utilizado para log´s alimentados cuja responsabilidade é da Equipe de Desenvolvimento de Sistemas.

TL_+[NOME DA TABELA]

 

Tabela Auditoria

 

Tabela utilizada para armazenar os dados das operações de usuários realizadas no esquema do padrão da GAAD. Exemplo de operações: insert, update, delete.

Para estas tabelas a alimentação dos dados será feito por uma trigger e os usuários possuirão somente priviliégio de SELECT (uso exclusivo da GAAD).

AU_+[NOME DA TABELA ORIGEM,] onde o nome da tabela é com o prefixo da tabela origem, mas sem o caracter separador _ entre as palavras. Ultrapassando o tamanho máximo de caracteres para nome (30), a última palavra será truncada no 30º caracter.

 

Tabela Temporária

Tabela utilizada em rotinas dos sistemas para armazenamento temporário de dados.

TM_+[NOME DA TABELA]

 

Tabela de Histórico

Tabela utilizada para armazenar os dados históricos de uma determinada funcionalidade, podendo ter vida útil para os dados.

TH_+[NOME DA TABELA]

 

 

Tabela Auxiliar

 

 

Qualquer tabela utilizada para auxiliar em um procedimento esporádico. Deve ser excluída após a execução do procedimento.

TA_+[NOME DA TABELA]

Tabela de Backup

Tabela criada com a finalidade de armazenar um backup de uma tabela.

BK_+[YYYYMMDD]+ _ + +[NOME DA TABELA]

 

Tabela de Relacionamento Ternário (Associativa)

Tabela que resolve relacionamentos “N para N”, envolvendo três tabelas ou mais.

RT_+[NOME DA TABELA DE RELACIONAMENTO

 

neste caso o nome da TABELA DE RELACIONAMENTO deve ser significativo para o negócio ao qual pertence

Tabela Dimensão (Data Mart / Data Warehouse)

Armazena as descrições textuais das dimensões de negócio (região, UF, etc). Deve ser utilizada somente para Data Mart ou Data Warehouse.

TD_+[NOME DA TABELA]

Tabela Fato

Coleção de itens de dados relacionados, consistindo de métricas e contexto de dados (são armazenados os indicadores de desempenho do negócio e tem como característica principal a presença de dados altamente redundantes para se obter um melhor desempenho). Deve ser utilizada somente para Data Mart ou Data Warehouse.

TF_+[NOME DO SISTEMA]

 

 

Categoria de Coluna

Utilização

Composição

Código

Coluna cujo conteúdo expresse um código, cujo conteúdo não é obtido de uma sequence. Também é utilizada essa regra quando a coluna é uma FK, isto é, coluna herdada de outra tabela, e cuja PK é uma coluna CO_+SEQ_+[NOME DO ATRIBUTO] .

CO_+[NOME DA COLUNA]

Código com Sequence

Coluna cujo conteúdo expresse um  código obtido de uma sequence.

O datatype deve ser de natureza numérica ou SERIAL (para o Postgres).

A descrição de colunas desse tipo deve ser:

- Para sequence específica para a tabela: “Representa a chave primária sequencial da tabela, que é controlada pela sequence [NomeSequence] do banco de dados específica para a tabela. ”

- Para sequence NÃO específica para a tabela: “Representa a chave primária sequencial da tabela, que é controlada sequence [NomeSequence] do banco de dados.”

- Para coluna com datatype SERIAL no Postgres: “Representa a chave primária sequencial da tabela, que é controlada pelo banco de dados através do dadatype desta coluna SERIAL.”

CO_+SEQ_+[NOME DA COLUNA]

Coluna de Controle de Tabela de Auditoria

Coluna que é incluída na geração da tabela de auditoria de colunas utilizadas para armazenamento de informações de controle que permitem o rastreamento da operação na tabela origem.

AU_+[ NOME DA COLUNA]

Coordenada Geográfica

 Coluna cujo conteúdo expressa um conjunto de coordenadas geográficas. Utilizado para plotar mapas e fazer referenciamento geográfico.

CG_[NOME DA COLUNA]

Data

Coluna cujo conteúdo expresse uma data do calendário civil.

DT_+[NOME DA COLUNA]

 

Descrição

Coluna cujo conteúdo é livre e em forma discursiva independente do tipo e tamanho utilizado (texto).

DS_+[NOME DA COLUNA]

Hora

Coluna cujo conteúdo expresse uma hora ou horário.

HR_+[NOME DA COLUNA]

Imagem

Coluna cujo conteúdo expresse uma binária como imagens, vídeo, audio, bem como qualquer outro tipo de multimidia ou dados em geral

IM_+[NOME DA COLUNA]

Nome

Coluna cujo conteúdo é  de natureza alfanumérica e expressa um nome por extenso sendo composta de palavras, abreviaturas ou ambas.

NO_+[NOME DA COLUNA]

Número

Coluna cujo conteúdo é  representado por algarismos, não significando, necessariamente, que o tipo do campo tenha que ser possuir datatype de natureza numérica.

NU_+[NOME DA COLUNA]

Quantidade

Coluna cujo conteúdo expressa um quantitativo.

O datatype deve ser de natureza numérica.

QT_+[NOME DA COLUNA]

Sigla

Coluna cujo conteúdo expressa uma Sigla representativa de algo.

O datatype deve ser de natureza alfnumérica.

SG_+[NOME DA COLUNA]

Situação ou Status

Coluna cujo conteúdo expressa a situação ou o status do registro ou de algum atributo.

Deve ter uma lista de valores atrelada, que pode ser uma tabela de domínio ou uma check constraint.

Obs.: Esta categoria de registro deve expressar um código, seja numérico ou alfanumérico, nunca um conteúdo por extenso/ discursivo.

ST_+[NOME DA COLUNA]

Taxa

Coluna cujo conteúdo expressa indica uma taxa.

O datatype deve ser de natureza numérica.

TX_+[NOME DA COLUNA]

Tipo

Coluna cujo conteúdo expressa o tipo do registro ou de algum outro atributo. Deve ter uma lista de valores atrelada, que pode ser uma tabela de domínio ou uma check constraint.

Obs.: Esta categoria de registro deve expressar um código, seja numérico ou alfanumérico, nunca um conteúdo por extenso / discursivo.

TP_+[NOME DA COLUNA]

Valor

Coluna cujo conteúdo expressa um valor numérico.

O datatype deve ser de natureza numérica.

VL_+[NOME DA COLUNA]

 

 

 Para informações comumente utilizadas e que o conjunto dos atributos compõe uma informação foi definido o conceito de Classe de Dados" Exemplos: CPF, telefone, carteira de trabalho, etc. As classes de dados que foram definidas são as seguintes:

    

Classe

Nome Descritivo do Atributo

Datatype/Tamanho

Observações

Caixa Postal

Número da Caixa Postal

VARCHAR2(12)

Deve ser preenchida somente com dígitos de 0 à 9.

Número do CEP

VARCHAR2(8)

Deve estar cadastrado na tabela DBGERAL.TB_CEP.

CEP

Número do CEP

VARCHAR2(8)

Deve estar cadastrado na tabela DBGERAL.TB_CEP.

Ano

Número do Ano

VARCHAR2(4)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Mês

Número do Mês

VARCHAR2(2)

Deve possuir somente os valores 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11 e 12.

Número de Documento Identificador de Pessoas

Número do CNPJ

VARCHAR2 (14)

Deve estar cadastrado nas tabelas do schema DBPESSOA TB_PESSOA e  TB_PESSOA_JURIDICA.

Número do CPF

VARCHAR2 (11)

Deve estar cadastrado nas tabelas do schema DBPESSOA TB_PESSOA e  TB_PESSOA_FISICA.

Número do Cartão Nacional de Saúde (CNS)

VARCHAR2(15)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9 e estar de acordo com o CADSUS.

Número do Passaporte

N/A

N/A

Número do NIS, PIS, PASEP

VARCHAR2(11)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Gênero (Sexo)

Código do gênero (sexo)

VARCHAR2(1)

Deve possuir somente os códigos e referenciado pelo DBGERAL.TB_SEXO:

- M=Masculino;

- F=Feminino;

- I=Ignorado;

- X=Inválido(Para uso pelo CADSUS).

Documento de Identidade de Pessoa Física

 

Documento de Identidade

N/A

A formatação e colunas deve ser livre, mas sempre deverá conter as informações nº do documento, órgão emissor, UF emissora, data de emissão do documento.

 

Código Tipo do Documento

VARCHAR2(3)

Deve estar cadastrado em DBGERAL.TB_TIPO_DOCUMENTO .CO_TIPO_DOCUMENTO

Título de Eleitor

Número do Título de Eleitor

VARCHAR2(12)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

O número da inscrição eleitoral será composto por 12 algarismos, sendo que os oito primeiros serão números sequenciais, os dois seguintes serão indicadores da UF e os dois últimos servirão como dígitos verificadores do número sequencial e do número da UF, respectivamente.

Número da Zona Eleitoral do Título de Eleitor

VARCHAR2(4)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Número da Seção Eleitoral do Título de Eleitor

VARCHAR2(4)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Carteira de Trabalho e Previdência Social

Número da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)

VARCHAR2(7)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Número de Série da CTPS

VARCHAR2(4)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Sigla da UF de emissão da CTPS

VARCHAR2(2)

Deve estar cadastrada da tabela DBGERAL.TB_UF.

Data da emissão da CTPS

DATE

N/A

Telefone

Número do Telefone

VARCHAR2(15)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Número do DDD

VARCHAR2(2)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Número do DDI

VARCHAR2(3)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Número do Ramal

VARCHAR2(4)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9.

Tipo do Telefone

VARCHAR2(2)

Deve estar cadastrado na tabela DBGERAL.TB_TIPO_TELEFONE.CO_TIPO_TELEFONE.

Situação Ativo / Inativo

Campo de situação, com prefixo ST, cujo domínio é Ativo ou Inativo.

VARCHAR2(1)

Deve ter preenchimento obrigatório e possuir somente os códigos:

A – Ativo

I - Inativo

Situação Sim / Não

Campo de situação, com prefixo ST, cujo domínio é Sim ou Não.

VARCHAR2(1)

Deve ter preenchimento obrigatório e possuir somente os códigos:

S – Sim

N - Não

InterNet

Descrição do endereço de E–mail

VARCHAR2(60)

N/A

Descrição do endereço da URL  (Localizador Padrão de Recursos - Uniform Resource Locator).

VARCHAR2(100)

N/A

Dados Bancários de Conta Corrente

Código do Banco

 

VARCHAR2(3)

Deve possuir somente dígitos de 0 à 9 e estar cadastrado na tabela DBGERAL.TB_BANCO.

Código da Agência com o dígito verificador

VARCHAR2(6)

Deve estar cadastrado na tabela DBGERAL.TB_AGENCIA_BANCARIA.

O formato é o seguinte:

0NNNND, onde NNNN é o número da agência e D é o dígito verificador da agência.

Número da Conta corrente sem o dígito verificador

VARCHAR2(20)

O último é o dígito digito verificador do nº da conta bancária.