Fases

Do ponto de vista do gerenciamento, o ciclo de vida do software do RUP é dividido em 4 fases sequenciais, cada uma concluída por um marco principal, ou seja, cada fase é basicamente um intervalo de tempo entre dois marcos principais. A cada final de fase, uma avaliação é executada para determinar se os objetivos da fase foram alcançados. Uma avaliação satisfatória permite que o projeto passe para a próxima fase.
Cada fase possui suas próprias metas, seu próprio estilo de iteração e geralmente customiza suas tarefas e produtos de trabalho de forma diferente.

A fase Proposta de Projeto, que precede a aprovação do projeto, faz parte do processo de Iniciação da MGP (Metodologia de Gerenciamento de Projeto). Está demonstrada na MDS devido à participação significativa da área de desenvolvimento. Esta fase será usada apenas para projetos, não para as manutenções.

Para as demandas de projeto, as fases 02 a 05 representam cada iteração, portanto a Iniciação define o escopo da iteração; nas demandas de manutenção, a fase Iniciação detalha o escopo da demanda.

 

FASES MDS

 

01 - Proposta de Projeto

Esta fase abrange o entendimento do problema e a identificação de suas necessidades. A partir dessas informações, é definido o escopo inicial e é estimado o tamanho funcional do projeto, cujo objetivo é obter aprovação de todos os Stakholders sobre a continuidade do projeto.

Marco: Insumo para análise de viabilidade do projeto.

02 - Iniciação

Nesta fase o projeto já está aprovado. Os objetivos da iniciação são: definir o escopo e a visão geral da iteração ou demanda; realizar o planejamento do projeto; definir a arquitetura que será adotada com base nas diretrizes do órgão. Os envolvidos sobre os objetivos do ciclo de vida do projeto entram em consenso e a equipe técnica é definida.
A iniciação tem muita importância principalmente para os esforços dos desenvolvimentos novos, nos quais há muitos riscos de negócio e de requisitos que devem ser tratados para que o projeto possa prosseguir adequadamente. Para objetos que visam manutenções em um sistema, a fase de iniciação é mais rápida, mas ainda se concentra em assegurar que a demanda seja viável.

Marco: Escopo da iteração ou demanda.

 03 - Elaboração

Esta fase abrange o detalhamento da solução e a transformação dos requisitos do produto em casos de uso que darão suporte à atualização do documento arquitetural e a estimativa do esforço, de acordo com a métrica contratada. Com base nas informações novas obtidas durante a fase é possível que a visão sistêmica seja refinada, estabelecendo uma compreensão sólida dos casos de uso mais críticos que conduzem as decisões de arquitetura e planejamento da(s) próxima(s) iteração(ões). Toda documentação de análise é gerada nesta fase.

Marco: Detalhamento da solução a ser construída ou alterada.

04 - Construção

Esta fase abrange o desenvolvimento do sistema com base nos requisitos especificados e na arquitetura definida. Ela está essencialmente relacionada a projeto, programação, teste e homologação do sistema. As partes do sistema são desenvolvidas paralelamente e integradas durante esta fase. Diversas atividades de testes também são executadas a fim de se validar o produto de software, testando as funcionalidades de cada módulo. Ao final deve-se ter um produto em funcionamento pronto para ser liberado para o gestor.

Marco: Sistema funcionando em ambiente de homologação.

05 - Transição

Esta fase abrange a execução do plano de implantação, a finalização e disponibilização do material de suporte operacional, o treinamento de usuários e a entrega do produto para os usuários finais.

Marco: Sistema implantado e funcionando em ambiente de produção.