DATASUS completa 27 anos com o desafio de avançar na informatização do SUS

O Departamento de Informática do SUS (DATASUS/SE/MS) completa, no dia 21 de abril, 27 anos de existência. Com a missão de fomentar, regulamentar e avaliar as ações de informatização do Sistema Único de Saúde (SUS), o órgão tem o desafio de continuar colaborando para o futuro tecnológico do Ministério da Saúde.

Entregar a infraestrutura digital necessária para a estratégia de e-Saúde (DigiSUS), conjunto de ações que qualifica a gestão da saúde, por meio eletrônico, é a grande prioridade da instituição. Projetos como o Conjunto Mínimo de Dados (CMD), o Registro Eletrônico de Saúde (RES) e o Programa de Informatização das Unidades Básicas de Saúde (PIUBS) de todo o Brasil estão em andamento com o objetivo de integrar o controle dos serviços de saúde, permitindo o melhor atendimento ao cidadão.

Com a total implantação do CMD, as bases de dados dos sistemas de informação da atenção à saúde em todo o território brasileiro serão unificadas. O RES, por sua vez, integrará as informações de histórico de consultas, medicamentos, caderneta de vacinação em apenas um prontuário por cidadão com total transparência no uso dos recursos. Já o PIUBS irá informatizar mais de 42 mil UBS e implantar o prontuário eletrônico a nível nacional até o final de 2018.

Com estes projetos estratégicos para o novo ciclo inovador que é de um SUS Digital, o diretor do DATASUS, Guilherme Telles, reforça que, em sete meses à frente da gestão, os avanços são inimagináveis, mas enfatiza que o caminho a percorrer ainda é longo. “Avançamos em alguns aspectos, no entanto, temos muito a evoluir. O lançamento do aplicativo Meu DigiSUS é uma realidade. A ferramenta amplia o acesso da população às informações de saúde tais como: histórico de exames realizados, medicamentos retirados, Cartão de Vacina e acesso ao Cartão Nacional de Saúde”, enfatiza. 

27anos02O DATASUS conta com um time de aproximadamente 700 profissionais entre servidores, terceirizados, bolsistas e estagiários comprometidos e empenhados com o desenvolvimento tecnológico do Ministério da Saúde. Para manter e guardar as informações em saúde de toda a população brasileira, o Departamento conta com dois Datacenters, localizados na sede em Brasília, e outro no Rio de Janeiro. São contabilizados cerca de 70 milhões de acessos diários nas aplicações de saúde.

 

Importância das áreas negociais

Sem a efetiva participação e apoio das áreas negociais, não seria possível concretizar a entrega dos sistemas de forma a atender a plena necessidade das sete secretarias que compõem o Ministério da Saúde, as chamadas áreas gestoras das aplicações. Isso impacta diretamente na vida dos cidadãos. É o caso do Sistema de Gerenciamento do Programa Mais Médicos, um dos principais programas de governo.

O gestor de negócio do Mais Médicos do Departamento de Planejamento e Regulação da Provisão de Profissionais de Saúde (Depreps/SGETES), Raphael Barbosa, lembra que a relação da área com o DATASUS vem se fortalecendo. “Enfrentávamos um processo burocrático, no entanto, a partir de 2017 os laços da Secretaria com o DATASUS foram estreitados. “O Departamento auxilia no mapeamento de processos, priorização de demandas e cuida dos detalhes para entregar o produto com maior celeridade e qualidade possível”, destaca.

Já a intranet colaborativa do Ministério da Saúde nasceu, no início de 2017, após parceria entre a Assessoria de Comunicação e o DATASUS. A plataforma possui recursos para uso individual e colaborativo de todos os trabalhadores da Saúde em todo o Brasil.

27anos03A coordenadora de Comunicação Interna, Renata Ramalho, destaca a parceria fundamental para o sucesso da ferramenta. “O papel do Escritório de Projetos do DATASUS foi imprescindível para tornar a Integra-MS realidade. Em um ano de lançamento são quase 10 mil trabalhadores cadastrados e 1 milhão de acessos por mês”, destaca.

Telles reforça que tem preocupação em dar atenção especial as áreas finalísticas, demandantes dos serviços de tecnologia. “Temos compreensão da importância da entrega para os clientes. A razão de o DATASUS existir são as áreas negociais. Temos que ter essa relação de parceria. É uma conquista saber que as secretarias acreditam e empenham total confiança na nossa equipe”, ressalta.

História

27anos01A então diretoria surgiu em 1991, a partir da criação da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA). À época, a FUNASA passou a exercer a função de controle e processamento das contas referentes à saúde, que antes era da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (DATAPREV).

O primeiro diretor do Departamento, Ernani Bandarra, lembra que, no início, a arquitetura dos sistemas sofreu uma mudança significativa. O Sistema de Gestão Hospitalar, por exemplo, era baseado totalmente em papel. “Após a descentralização dos dados pelos Estados via programa que possibilitava ao próprio hospital a captura dos dados, os ganhos foram inúmeros. Esse sistema foi pioneiro na introdução da informática nos hospitais. Um grande desafio para a equipe envolvida”, recorda.

Ao longo de sua atuação, o DATASUS já desenvolveu mais de 500 sistemas que auxiliam diretamente o Ministério da Saúde no processo de construção e fortalecimento do SUS, bem como no controle dos serviços e ações ofertadas ao cidadão, desde a atenção básica até a alta complexidade.

 

 

 

 

Por Samara Neres, NUCOM/DATASUS/SE/MS