Governo Federal cria programa de pesquisa voltado à informatização da saúde

Objetivo é buscar soluções tecnológicas que auxiliem na compilação de dados do SUS, eficiência do atendimento e da gestão. Esta é uma prioridade do ministro da Saúde, Ricardo Barros

O Ministério da Saúde e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) assinam, na tarde desta quinta-feira (10), no Palácio do Planalto, acordo de cooperação para estimular o desenvolvimento de estudos e novas soluções tecnológicas na área da saúde. O tema será o foco de um programa de pesquisa, com editais próprios. O objetivo é ampliar o controle das informações por meio de sistemas, elevando a eficiência e a qualidade dos atendimentos realizados pelo SUS.

A melhoria das informações do SUS e implantação de sistemas mais modernos é uma prioridade do ministro da Saúde, Ricardo Barros. “Nossa intenção é fazer um programa de conectividade federal, estadual e municipal, de todas as ações de saúde, da Atenção Básica, hospitalar e ambulatorial, permitindo um controle absoluto da aplicação de recursos, para proporcionar mais atendimentos de saúde”.

A cooperação com o MCTIC vai reforçar essa meta de informatização dos atendimentos de saúde, como o Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC), que tem prazo final de implantação em todas as unidades básicas de saúde do país até o dia 10 de dezembro, conforme reforçou o ministro. Essa ferramenta permitirá o acompanhamento do histórico, dos dados e do resultado de exames dos pacientes, a verificação em tempo real da disponibilidade de medicamentos ou mesmo registrar as visitas de agentes de saúde, melhorando o atendimento ao cidadão.

A portaria interministerial vai promover a abertura de editais para o desenvolvimento de pesquisas, por meio de entidades e especialistas, nas principais áreas de saúde. Serão promovidos projetos pilotos e ferramentas para integração e iniciativas já existentes.

De acordo com o ministro, os produtos elaborados por meio da parceria vão gerar mais e novos indicadores para a gestão dos recursos do SUS, para a formulação de políticas públicas e para a tomada de decisões eficientes e, também, para qualificar as informações captadas pelos sistemas de informação de saúde. A definição das pesquisas será feita por um grupo de trabalho com participação de representantes dos dois ministérios: Saúde e MCTIC. O regimento interno do grupo será elaborado em 90 dias a partir da publicação da portaria.

A portaria de criação do programa de pesquisa foi formalizada pelos ministros da Saúde, Ricardo Barros, e da Ciência, Tecnologia e Inovação, Gilberto Kassab, durante a reunião plenária do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia. O ato contou com a participação do presidente da República, Michel Temer, que também assinou portarias para liberação de recursos ao Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT).

TELESSAÚDE – Também nesta quinta-feira, o Ministério da Saúde assinou Termo de Execução Descentralizada (TED) transferindo R$ 3 milhões para o MCTIC, para a manutenção do programa Telessaúde Brasil Redes. O objetivo do programa é otimizar o atendimento à população, conectando profissionais da Atenção Básica a especialistas vinculados a instituições de referência.

O Telessaúde traz diversos benefícios, como a diminuição de riscos, agravos e custos com deslocamentos e remoções de pacientes, valorização e qualificação dos profissionais de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), estímulo à fixação de profissionais em áreas remotas ou de difícil acesso, melhoria da resolubilidade nos serviços de atenção a saúde, e inclusão social e digital.

INFORMATIZAÇÃO – O aperfeiçoamento dos sistemas de informação do SUS é uma das prioridades já anunciadas pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros. O objetivo é integrar o controle das ações, permitindo a correta aplicação dos recursos públicos e o fornecimento de dados adequados para o planejamento e para a execução das prioridades do setor. Uma das mais recentes ações é o lançamento do Prontuário Eletrônico do Cidadão.

Estão sendo desenvolvidos também, por exemplo, o projeto e-Saúde, conjunto de ações que qualifica a gestão da saúde por meio eletrônico, como o Conjunto Mínimo de Dados (CMD), que unificará nove sistemas, o Registro Eletrônico de Saúde (RES), a implantação de biometria no SUS e a Telemedicina.

O Ministério da Saúde ainda será o primeiro órgão da administração pública federal a utilizar os serviços de biometria. Uma parceria com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) irá proporcionar maior segurança no registro e acesso de informações dos cidadãos. A medida vai contribuir para evitar fraudes. O projeto começa em serviços ofertados pela atenção básica já a partir do próximo ano.

Outro importante avanço é a adoção do Sistema Eletrônico de Informações (SEI), com módulos e funcionalidades que promovem a eficiência na administração. Processos e documentos vão circular apenas por meio eletrônico no âmbito do Ministério da Saúde e órgãos vinculados. O sistema vai evoluir para que gestor e cidadão possam acompanhar o andamento do processo e solicitar informações.


Abertas pré-inscrições para 2º Seminário de Conectividade do Ministério da Saúde

  

Os interessados em participar podem cadastrar propostas até 26/11

O Ministério da Saúde abre seleção para o 2º Seminário de Conectividade, que será realizado no próximo dia 30 de novembro. Empresas, associações, startups e pessoas físicas que queiram propor à pasta soluções inovadoras em Tecnologia da Informação para aperfeiçoar os sistemas da rede pública de saúde já podem realizar sua pré-inscrição online.

Serão selecionados 20 projetos, que devem apresentar propostas relacionadas às secretarias de Atenção à Saúde (SAS), Vigilância em Saúde (SVS), Saúde Indígena (SESAI), Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE), Gestão Estratégica e Participativa (SGEP), Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES) e Executiva (SE).

O objetivo do seminário é criar um ambiente de compartilhamento de ideias e discussão de temas relevantes para a Saúde, que visem melhorar os serviços prestados pelas secretarias do Ministério.

É importante ressaltar que não existe nenhum propósito para contratação de soluções de Tecnologia da Informação fora da legislação vigente que rege a Administração Pública Federal.

Pré-inscrições - O cadastro das propostas pode ser feito via Formulário FormSUS. Os selecionados pela comissão técnica, composta por gestores das áreas finalísticas, receberão comunicado via e-mail até o dia 29 de novembro. Os que não forem convocados poderão apresentar novos projetos em edições futuras do evento.

Serviço:

2º Seminário de Conectividade do Ministério da Saúde

Data: 30/11/2016

Programação:

8h - Acolhimento

9h - Mesa de abertura

9h15 às 18h - Apresentação das propostas, com intervalo para almoço.

Local: Auditório da Enap (SAIS – Área 2A – Brasília-DF)

Informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Clique aqui para acessar o formulário de pré-inscrição.

Posto de saúde sem prontuário eletrônico perderá recurso

Medida permite acompanhar o histórico do paciente e que o Ministério da Saúde verifique online como são investidas as verbas do SUS na saúde do brasileiro

6 de outubro de 2016 - Os municípios de todo o país têm 60 dias para adotar o prontuário eletrônico nas unidades básicas de saúde. Com a plataforma digital, todos os serviços de saúde da cidade poderão acompanhar o histórico, os dados e resultado de exames dos pacientes, verificar em tempo real a disponibilidade de medicamentos ou mesmo registrar as visitas de agentes de saúde, melhorando o atendimento ao cidadão. A transmissão 100% digital dos dados da rede municipal à base nacional permite ainda que o Ministério da Saúde verifique online como está sendo investido cada real do SUS na saúde do brasileiro.

A plataforma digital permite o acompanhamento do histórico médico do paciente em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS), oferecendo ganho na qualidade e na gestão da Atenção Básica para o gestor, para os profissionais de saúde e para o cidadão.

Confira a apresentação 

“O prontuário vai nos permitir eficiência, transparência, economia, como na consulta a exames e na oferta de medicamentos, e permitirá que o cidadão seja o fiscal do Sistema Único de Saúde. Até 10 de dezembro, já deveremos ter mais de 50% dos brasileiros com seu atendimento verificado no sistema de controle do Ministério da Saúde, para que seja atingido o objetivo da informatização dos mecanismos de controle de cada real do SUS”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros, durante o anúncio da medida, na manhã desta quinta-feira (6).

O ministro informou que o Ministério da Saúde está preparado para apoiar os municípios que encontrarem dificuldades na implantação do prontuário eletrônico. Assim, cada gestor deverá reportar suas necessidades à pasta, até 10 de dezembro, que avaliará cada caso para providenciar a estrutura para a transmissão dos dados.

Atualmente, 76% das unidades básicas de saúde ainda registram o histórico do paciente em papel, apesar de dados do Ministério das Comunicações apontarem que todas as cidades contam com ponto de internet banda larga. O Ministério da Saúde oferece plataforma gratuita, mas o envio dos dados também pode ser feito pelos municípios por sistema próprio. Após o período para implantação das plataformas, o pagamento do PAB Variável às prefeituras, equivalente a R$ 10 bilhões por ano, ficará condicionado à implantação do prontuário eletrônico. Esse recurso é aplicado no custeio dos atendimentos de pediatria e vinculados a programas como Saúde da Família, Brasil Sorridente, entre outros.

A informatização dos sistemas de saúde é uma das prioridades da gestão do Ministério da Saúde. O objetivo é integrar o controle das ações, promover a correta aplicação dos recursos públicos, obter dados para o planejamento do setor e, principalmente, propiciar a ampliação do acesso e da qualidade da assistência prestada à população, tornando o atendimento mais eficiente. A medida ajudará também a reduzir custos, evitando, por exemplo, a duplicidade de exames ou retiradas de medicamentos.

Das 41.688 UBS em funcionamento em 5.506 municípios, 10.134 (106,98 milhões de pessoas) já têm o Prontuário Eletrônico, sendo que 2.902 utilizam versões oferecidas gratuitamente pelo Ministério da Saúde, e 7.232 softwares próprios e privados.

NOVAS FUNCIONALIDADES – Com o objetivo de apoiar os municípios no processo de informatização, o Ministério da Saúde lança, nesta quinta-feira (6), a versão 2.1 do Prontuário Eletrônico do e-SUS AB. A plataforma permite o profissional de saúde gravar e acessar informações, como detalhamento da consulta e diagnóstico, disponibilidade de medicamentos nas farmácias dos municípios, procedimentos realizados, resultado de exames e evolução do paciente. A nova versão possibilita ainda que o registro ao Cartão Nacional de Saúde (CNS), a identificação do cidadão no SUS, seja feito digitalmente em qualquer unidade que já utilize a atualização do programa.

O Ministério da Saúde economizará R$ 84 milhões por ano com tecnologias para informação. A pasta também vai apoiar municípios que tenham dificuldades para implantar o novo modelo, conforme as necessidades encaminhadas pelos gestores, que serão analisadas caso a caso.

O Ministério da Saúde também lança nesta quinta-feira o aplicativo e-SUS AB Território, para uso dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), de Controle de Endemias (ACE) e demais profissionais de saúde da Atenção Básica, por meio de tablets e smartphones. A ferramenta permite a eliminação de fichas de papel durante as visitas domiciliares e a inserção de informações como evolução de tratamento, registro de medidas corporais, pressão arterial e focos de Aedes Aegypti e orientações.

AVANÇOS NA INFORMATIZAÇÃO – Assim como o e-SUS AB e o e-SUS AB Território, que fazem parte do projeto e-SUS, conjunto de ações que qualifica a gestão da saúde por meio eletrônico, o Ministério da Saúde lançou recentemente o Conjunto Mínimo de Dados (CMD), mais uma ferramenta voltada à otimização do fluxo de informações dos serviços de saúde. O CMD unifica nove sistemas que fazem os registros de atendimentos no SUS em um único layout. Essa ferramenta facilitará o envio e abastecimento de dados, reduzindo o tempo de inserção das informações e tornando sua alimentação mais ágil e prática, evitando repetições e qualificando as informações registradas.

O CMD também será fundamental para a economia de recursos dos gestores locais e estaduais de saúde. Além disso, menos usuários terão de ser capacitados para a utilização dos diversos sistemas.

O Ministério da Saúde também será o primeiro órgão da administração pública federal a utilizar os serviços de biometria. Uma parceria com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) irá proporcionar maior segurança no registro e acesso de informações dos cidadãos. A medida vai contribuir para evitar fraudes. O projeto começa em serviços ofertados pela atenção básica já a partir do próximo ano.

Outro importante avanço é a adoção do Sistema Eletrônico de Informações (SEI), com módulos e funcionalidades que promovem a eficiência na administração. Processos e documentos vão circular apenas por meio eletrônico no âmbito do Ministério da Saúde e órgãos vinculados. O sistema vai evoluir para que gestor e cidadão possam acompanhar o andamento do processo e solicitar informações.


Texto: Agência Saúde/ASCOM/GM/MS

Manutenção na rede do DATASUS, em Brasília, deixa acesso a sistemas indisponíveis

banner rede13 de outubro de 2016 - Em decorrência de uma manutenção na rede interna do Ministério da Saúde, o acesso à internet e aos sistemas hospedados nos servidores do Ministério da Saúde, em Brasília, ficarão indisponíveis entre 00h e 1h30 deste sábado (15/10). O horário foi escolhido por ter menos fluxo e não trazer prejuízos para atendimento ao cidadão.

-> Exemplos de sistemas de acesso interno que ficarão inacessíveis 
- Sistema de Administração de Recursos Humanos – SIARH
- Sistema de Gestão de Pessoas – SIGESP
- Sistema Integrado de Protocolo e Arquivo – SIPAR
- Sistema de Atendimento aos Usuários – SAU
- Sistema de Administração de Material – SISMAT
- Boletim de Serviços - BSE
- Intranet do Ministério da Saúde
- Intranet do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro
- FormSUS – Formulário da Web

-> Exemplos de sistemas de acesso externo que ficarão inacessíveis 
- Portal do Ministério da Saúde
- Hotsite Combate ao Aedes aegypti
- Blog da Saúde
- Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN
- Sistema de Regulação – SISREG
- Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos – SINASC
- Registro de Eventos em Saúde Pública - RESP
- Sistema de Ouvidoria do SUS - OUVIDORSUS
- Sistemas do Programa Farmácia Popular
- Sistemas do Programa Mais Médicos
- Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias em Saúde - REBRATS
- Portal de Compras do Ministério da Saúde
- Sistema de Cadastramento de usuários do SUS - CADUS
- Sistema de Informações Ambulatoriais – SIASUS
- Sistema de informação do Câncer – SISCAN
- Portal do Fundo Nacional de Saúde - FNS Portal
- Portal da Conitec
- Biblioteca Virtual em Saúde -BVS MS- EGOV

→ Para mais informações, entre em contato com o suporte técnico do DATASUS no ramal 2222

Texto: Nucom do DATASUS
Edição: Comunicação Interna/ASCOM/GM

Encontro de alinhamento sobre o Sistema Eletrônico de Informações lota o auditório Emílio Ribas

samara28 de setembro de 2016 - Pensar de forma sustentável pode significar inúmeros benefícios para as instituições modernas. Nesse sentido, com o objetivo de, em breve, realizar a tramitação de documentos do Ministério da Saúde por meios eletrônicos e dar mais transparência aos processos de trabalho, foi realizado o 1º Encontro de alinhamento sobre o Sistema Eletrônico de Informações (SEI), nesta segunda-feira (26/9), na sede do Ministério da Saúde, em Brasília. Outros dois encontros estão agendados* para os próximos dias 3 e 17 de outubro. 

Mais de 300 trabalhadores compareceram ao auditório Emílio Ribas nos dois períodos de realização do evento – manhã e tarde – e lá puderam acompanhar as mudanças que virão com a implantação do novo sistema, reduzindo assim a utilização do papel no MS; entre elas, o processo de produção de documentos e a dinâmica do trabalho na instituição. Criado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF4), o SEI é um sistema de gestão de processos e documentos eletrônicos que vem sendo implantado em vários órgãos da Administração Pública Federal. Conduzidos pela  Coordenação-Geral de Documentação e Informação (CGDI/SAA/SE/MS), os encontros visam apresentar a plataforma aos trabalhadores do  Ministério da Saúde de todo o Brasil. Quem não compareceu fisicamente pôde acompanhá-los em tempo real por meio do site http://datasus.saude.gov.br/emtemporeal.

1No encontro, a arquivista Laiane Borges destacou, por exemplo, que, com o SEI, será permitida a produção, a edição, a assinatura e o trâmite de documentos dentro do próprio sistema, proporcionando a virtualização de processos e documentos; isso permitirá a atuação simultânea de várias unidades em um mesmo processo, ainda que distantes fisicamente, reduzindo o tempo de realização das atividades.

O SEI

A implantação do SEI-MS é uma ação conjunta da Coordenação-Geral de Documentação e Informação (CGDI/SAA/SE/MS) e do Departamento de Informática do SUS (DATASUS/SE/MS). O servidor Joire Rodrigues, do Fundo Nacional de Saúde (FNS), pôde sanar dúvidas referentes à nova ferramenta. Para ele, essa mudança de paradigma precisa do empenho dos envolvidos e, sobretudo, da dedicação dos colaboradores durante o treinamento. “O SEI vem agregar aos sistemas eletrônicos já existentes”, lembrou.

2O Coordenador-Geral de Infraestrutura do DATASUS, Flávio Ferreira, participou da implantação do SEI no Ministério da Integração Nacional, quando trabalhou na instituição por cinco anos antes de assumir a Coordenação no Ministério da Saúde. “A plataforma permite resultados fantásticos. Vocês verão, na prática, quando estiver implantado aqui no MS”, diz.

Próximos encontros*

Em parceria com a Coordenação de Desenvolvimento de Pessoal (CODEP/CGESP/SAA/SE/MS), a CGDI realizará os próximos encontros com os trabalhadores do MS nos dias 3 e 17/10, em dois horários: das 9h às 12h e das 14 às 17h. Para o dia 3/10, as inscrições já estão encerradas. Portanto, os trabalhadores poderão acompanhar o evento virtualmente, já que nos dois dias e nos dois períodos haverátransmissão ao vivo.

 

foto

Tópicos a serem abordados

 O que é o SEI?

  • Facilidades do SEI
  • Mudanças trazidas com o SEI
  • Resultados esperados
  • Exemplos de órgãos que utilizam o SEI
  • Evoluções esperadas
  • Gestão de Documentos com o SEI
  • Uso do Sipar após a implantação do SEI
  • Treinamentos

→ Dúvidas: (61) 3315-2503/2204 – CODEP

Texto: Nucom do DATASUS/SE/MS 
Fotos: Erasmo Salomão/ASCOM/GM/MS
Edição: Comunicação Interna/ASCOM/GM/MS