Ministério da Saúde

DATASUS

Processos

Representa os grupos de processos e o detalhamento de cada um com seu objetivo, entrada, descrição das atividades, saída e esforço.

Para este detalhamento foi utilizada a MGP-SISP que é uma Metodologia de Gerenciamento de Projetos (MGP) do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação (SISP). O SISP é responsável por planejar, coordenar, organizar, operar, controlar e supervisionar os  recursos de tecnologia da informação dos órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, em articulação com os demais sistemas utilizados direta ou indiretamente na gestão da informação pública federal.  Este sistema foi instituído pelo Decreto 7.579 de 11 de outubro de 2011, e a  Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP) é o seu  órgão central.

A definição de cada subprocesso está de acordo com a tabela a seguir.

Detalhamento dos processos

O mapeamento desses processos está definido de acordo com o fluxo:

O detalhamento dos processos de construção / manutenção de modelos de dados conforme itens a seguir.

1 – Abertura do projeto

2 – Entendimento do escopo

3 – Elaboração de modelo de dados

4 – Manutenção de modelo de dados

5 – Necesidades especiais estratégicas

6 – Geração de script

7 – Disponibilização de artefatos

Estimativa de prazos de execução

No detalhamento dos processos foi indicado para cada um a estimativa do esforço em horas úteis para cada um. Para essa estimativa foi definido um método para o cálculo em horas úteis, já que para esses tipos de serviço não existe contagem de ponto de função associada.

Para esse cálculo foram consideradas as seguintes variáveis para cada processo: complexidade, quantidade de tabelas e % de tempo por processo.

Entendemos que considerar nº de tabelas, nem sempre traduz a complexidade da tarefa, já que  podem existir modelos com poucas tabelas e complexos, mas é a medida que temos no momento, principalmente por falta de dados históricos. Em função disso, o esforço  aqui estipulado estará sendo sempre avaliado e no caso de necessidade de mudança isso será feito.

A tabela a seguir mostra os parâmetros aqui utilizados para o cálculo do esforço em horas úteis para os processos detalhados. 

A partir dessas variáveis definidas o cálculo do esforço está definido na tabela a seguir: 

É importante observar que essa estimativa de tempo gasto deve ser levada em consideração no cronograma do projeto, mas sempre deve ser alinhada com o AD alocado para o atendimento a quantidade de dias a ser considerada no cronograma.

Outro ponto importante a ser observado é que em projetos de manutenção sem documentação o tempo gasto da AD e da equipe de desenvolvimento costuma ser maior.

Como a MAD deve estar em constante evolução é importante definir indicadores a serem pedidos periodicamente visando a avaliação desta.

Sendo assim os indicadores definidos são:

Com o estabelecimento de avaliações periódicas com indicadores e metas definidas, a Administração de Dados consegue identificar se o serviço de modelagem de dados está sendo executado com qualidade e prazos adequados. Para os que estão com problemas devem ser identificadas as causas e ações a serem executadas, visando melhorar o atendimento e a satisfação do cliente.

É importante salientar que a satisfação do cliente vai permitir que a área de Administração de Dados consiga o reconhecimento pelos trabalhos efetuados, além dos benefícios que podem ser atingidos para o MS.